Via. Blog da Arquitetura

Se somente dez das casas mais famosas e icônicas da história pudessem estar numa lista, quais as que deveriam ser, essencialmente, destacadas? Esta é uma pergunta difícil. Mas nós resolvemos responder essa questão fazendo nossa própria lista. Com este post, dividido em duas partes, o leitor poderá fazer um passeio arquitetônico em obras autênticas e maravilhosas dos melhores profissionais, de Le Corbusier a Niemeyer. Elas foram escolhidas porque cada uma, em seu tempo, transformou o conceito de morar; e ainda porque permanecem influenciando o design de residências.

Ao analisar as informações apresentadas sobre todos esses trabalhos, o leitor entenderá melhor o ofício do arquiteto. Também como foi a evolução do uso de diferentes técnicas e materiais de construção, criando uma arquitetura sustentável. A trajetória percorrida pelos artistas para o aprimoramento de suas artes. Assim como as mudanças das necessidades e percepção dos espaços por parte dos clientes. E, por fim, como isso tudo pode ajudar as pessoas a estabelecer um futuro para as edificações.

+ CASA FARNSWORTH, MIES VAN DER ROHE

Em primeiro lugar nesta lista de casas mais famosas e icônicas está a Farnsworth. Ela foi projetada por Mies van der Rohe no ano 1945 e está localizada em Illinois, nos Estados Unidos. Sua fachada é envidraçada, algo incomum na época em que foi erguida. O motivo de o arquiteto adotar esse partido era fazer a máxima integração possível entre o interior e a paisagem externa. E trazer a beleza da natureza para dentro de casa passou a ser, então, uma ideia muito defendida por ele.

“Se você vir a natureza através das paredes de vidro da Casa Farnsworth, ela ganha uma significância muito mais profunda do que se fosse vista desde o exterior.” – Mies van der Rohe.

A Casa Farnsworth possui uma estrutura feita em pilares de aço, com piso e cobertura plana. Seu volume está bastante elevado do solo – isso porque o rio existente nas proximidades costuma encher e poderia ser um risco para a construção. A parte externa é fechada com panos de vidro. E as paredes internas, que delimitam os ambientes e conformam o banheiro, são poucas e bastante simples.

+ CASA DE VIDRO, PHILIP JOHNSON

A Casa de Vidro está localizada em New Canaan, no estado de Connecticut, nos Estados Unidos.  Ela foi projetada por Philip Johnson no ano de 1949, com inspiração na obra ‘Farnsworth House’, de Mies van der Hohe. Atualmente, é considerada a obra mais brilhante da carreira do arquiteto, e um dos exemplares mais importantes do estilo moderno.

A composição da casa de Johnson é mesmo muito bonita. Embora apresente materiais fabricados, tons de cores frias e linhas retas, se adéqua perfeitamente com a paisagem natural ondulada. A edificação é basicamente um plano aberto, muito simples, sustentado por pilares de aço e elevado a poucos centímetros do chão. Seu interior é completamente exposto devido ao fechamento externo, feito em painéis de vidro transparente. E as únicas divisórias da casa, além do banheiro, são os armários baixos e as estantes de livro.

+ VILLA SAVOYE, LE CORBUSIER

Dentre as obras mais famosas e icônicas do mundo, poucas se comparam a essa residência projetada por Le Corbusier, em 1929. Ela está localizada na Villa Savoye, no subúrbio de Paris, França. Muitos a consideram como um símbolo máximo da arquitetura moderna do século XX e do Estilo Internacional. Realmente, transformou a carreira do profissional e inspirou milhares de artistas em todas as gerações seguintes.

Foi realizando o projeto da Villa Savoye que Le Corbusier desenvolveu sua famosa teoria dos “Cinco Pontos”, inspirada na obra ‘Os Dez Livros de Arquitectura de Vitrúvio’. Trata-se de uma lista de elementos que ele acredita que devam ser incorporados ao design de um edifício moderno. Eles são a planta baixa livre, aberta; o térreo com os pilotis; as fachadas com janelas em fitas; o terraço com telhado plano ou sem jardim; e os interiores de estética minimalista.7

Todos os “Cinco Pontos” propostos por Le Corbusier estão presentes na residência de Savoye. Pra começar, ela parece estar flutuando. Isso porque a única área fechada no térreo é feita de vidro. Todo o restante encontra-se no segundo e terceiro níveis – e, mesmo assim, eles possuem amplas janelas envidraçadas, enfatizando a ligação entre o interior e o exterior, entre o público e o privado. O terraço ao ar livre é, justamente, a “coroa” que não poderia faltar nessa edificação tão branca e austera.

+ RESIDÊNCIA RIETVELD SCHRÖDER , GERRIT RIETVELD

Das casas mais famosas e icônicas da história da arquitetura a Residência Rietveld é, talvez, a de visual mais incomum. Esse projeto, realizado por Gerrit Rietveld no ano de 1925, em Utrecht, na Holanda, segue os preceitos do modernismo. E ele é um dos maiores exemplares do De Stijl, um grupo de artistas que defendia o uso de formas geométricas abstratas e o purismo limitado pela funcionalidade.

A Rietveld é, justamente, formada por um jogo de linhas retas e planos independentes, e marcada por cores primárias que ajudam na distinção de espaços ou funções. Essa qualidade planimétrica da casa é o que a torna a obra mais singular – algo que chocou muito os espectadores na época. Não havia uma delimitação fixa dos cômodos. Tudo podia ser alterado graças às paredes retráteis. Nunca se vira uma abordagem tão radical antes. Não é a toa que chamaria a atenção do público ao ponto de, hoje, ser considerada um Patrimônio Mundial.

+ EAMES HOUSE, CHARLES E RAY EAMES E EERO SAARINEN

A Eames House é conhecida no mundo da arquitetura por ‘Case Study House número 8’. Isso porque essa residência moderna faz parte de uma lista de projetos realizados por arquitetos famosos, em 1945, para um programa desenvolvido pela Revista Arts and Architecture de Los Angelis. O objetivo era apresentar todas as possibilidades de utilização dos novos materiais e tecnologias desenvolvidas durante a Segunda Guerra Mundial.

A resposta dada ao programa por Charles e Ray, com auxílio do amigo Eero Saarinen, foi muito simples e teve influência da cultura japonesa. A Eames House é uma edificação composta por dois volumes, interligados por um pátio e de extremidades com altura de pé-direito duplo. Sua estrutura é feita de concreto e aço, com fechamento de painéis coloridos de vidro fosco e translúcido. De um lado ficava o estúdio do casal. E de outro sua residência pouco dividida e repleta de elementos em materiais naturais, aproximando o interior da natureza circundante.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *